top of page

Startups insistem em não apostar no branding…e só perdem com isso!

*Cintia Valente é sócia e CMO da Noah, startup que oferece soluções tecnológicas para a construção civil a partir da madeira engenheirada no Brasil, que já possui anos de mercado, bem como projetos robustos e consolidados. Focada em transformar o mercado de construção civil no país e aproximar as pessoas dos benefícios e do bem-estar proporcionados pela madeira, a Noah foi fundada em São Paulo e tem promovido benefícios econômicos e sustentáveis para todo o ecossistema nacional e internacional de construção.

Por Cintia Valente

De 558 para 33.489, um aumento de 60 vezes, entre 2000 e 2023! Esses são os dados de crescimento do ecossistema de startups no Brasil, de acordo com os dados do Relatório “Panorama Tech na América Latina 2023”, elaborado pelo Distrito.

Outro dado relevante é que entre os anos de 2013 e 2023, o Brasil se tornou o país com maior número de startups ativas na América Latina, com uma representatividade de 62,9% do total. Um recorte rápido nos leva a observar que fintech é o setor mais atrativo, seguido por RetailTechs e Martechs. Quando falamos do modelo de negócios, o já conhecido Software As A Service (SaaS) ainda é o vencedor.

Ainda contextualizando o ecossistema, não podemos deixar de abordar que no segundo trimestre de 2023 houve uma desaceleração de Venture Capital, quando comparado com 2021, apresentando uma queda de 84,7% dos investimentos e redução de 50,8% de rodadas.

Isso nos faz refletir que os empreendedores, mesmo os mais experientes, ainda cometem um erro grave quando falamos de posicionamento de marca: não apostam em branding de qualidade. Os gestores das startups precisam ampliar o olhar e pensar em formas de atrair a atenção dos investidores, independente do estágio que a empresa se encontra. Essa construção de marca certamente fará a startup ter melhor visibilidade e reputação, e estar preparada para fortes movimentações de queda de investimentos, mantendo-se relevantes mesmo diante de um cenário de desaceleração.

Uma startup que ainda insiste em não criar e apostar em estratégias de branding bem estruturadas, tenderá a perder notoriedade e, eventualmente, poderá sumir em um mercado cada vez mais competitivo. Aqui vale destacarmos que branding por branding não faz sentido, ok?! É preciso fazer um estudo minucioso de onde sua marca está atualmente, onde se deseja chegar e, só então, traçar o passo a passo.

Grandes fundos de investimento costumam observar questões como posicionamento, market share, potencial de crescimento, além de pautas relevantes em todo o mundo atual, como sustentabilidade e impacto social. Por isso é mais do que necessário que empreendedores comecem a encarar o branding como investimento, e não como um custo para a empresa.

Por fim, vale destacarmos que um dos principais desafios das startups é, além de validar seu modelo de negócios, se tornar uma marca perene, ou seja, uma empresa que, de fato, entregue não apenas um produto ou serviço, mas um valor de marca que esteja alinhado com um propósito maior.

Para aquele que fala que branding não é mensurável só há duas explicações: ou tem preguiça ou não conhece o mercado. Graças a diversas inovações tecnológicas que temos, já é possível gerar métricas específicas até mesmo para cada área dentro de sua empresa, basta querer. E aí, sua marca está com o branding em dia?!

Comentários


bottom of page